Tag Archives: Lado B (ou uma história de amor para walkman)

Lado B – Faixa Bônus

Agradinho pros leitores

Agradinho pros leitores

durante a Gibicon 2 de Curitiba, a Mitie me convidou pra autografar o Lado (ou uma história de amor para walkman) no stand da GLORIOSA Itiban. aceitei e fiquei com todos os horários que ela tivesse disponíveis (foi arrebatador: revi diversos amigos mui queridos que há tempos estavam sumidos da minha LIFELINE – sim, estou falando de todos vocês).

daí, fiz um conto extra pro Lado B e gravei um CDzinho, encartei tudo em 25 exemplares (ESGOTADOS!) a serem doados aos 25 primeiros compradores. a ideia surgiu assim: o livro tem uma relação com Os Mutantes e agora saiu uma caixa da banda, com um CD de extras chamada Mande um abraço pra velha. achei legal mandar meu abraço também.

como os brindes se foram, eis a lista das canções que estão no CD (quem quiser, tem no Spotfy também):

e vai aqui o PDF do conto que vinha no encarte (a sugestão é ler o continho depois de ler o Lado B):

Lado B – Faixa Bônus

(boatos dão conta que o Confuse-A-Cat Estúdios trabalha para desenvolver versões epub e mobi)

a todos que puderam ir, minha mais sincera gratidão. espero que a leitura os agrade.

Deixe um comentário

Filed under A gente tenta, É meu, Literatura

Gibicon 2, em Curitiba

tô avisando agora pra ninguém precisar fingir que não me viu depois: estarei em Curitiba na Gibicon 2 (que acontece lá no MuMA DO LADO do Terminal do Portão), mediando mesas, gralhando em debates e, pasmem, autografando.

olha só a tabela Fuja do Lielson:

sexta-feira, dia 5, 10h, no Cine Guarani: medio a mesa Mulheres nos quadrinhos, com a presença de Bianca Pinheiro, Ana Koehler, Erica Awano, Julia Bax e Lu Cafaggi.

Na sequência, no mesmo dia 5, só que ao meio-dia e no teatro Antônio Carlos Kraide, medio outra mesa: Brasileiros na Europa, com Laudo ferreira, André Diniz, Ricardo Manhães, Ibraim Roberson, Ana Koehler, Julia Bax e Marcello Quintanilha.

No final do dia, a partir das 20h no stand da Itiban autografarei meu livrinho Lado B (ou uma história de amor para walkman) e o que mais me levarem lá pra rabiscar, tipo isto e isto. Boatos dão conta de que haverá UMA PIRA pros primeiros compradores do Lado B. 🙂

No sábado, só trabalho 18h, na mesa Brasil Manga Awards, desta vez como convidado. O papo será sobre o BMA com alguns de seus vencedores no Teatro Antônio Carlos Kraide.

Em seguida, no stand da Itiban, é nóis de novo: mais autógrafos às 20h.

No domingo, última chance de pegar um Lado B autografado e desenhado. Stand da Itiban, 14 horas.

Estão avisados, seus lóque!

1 Comentário

Filed under É meu, HQs, Literatura

Tem alguma coisa rolando: Lado B

Lado B 14,99

em 2008 eu mandei um textinho curto baseado em A divina comédia (ou ando meio desligado) dos Mutantes pro Danilo Corci. ele, acho que via Túlio, tinha me convidado pra escrever um conto a partir de um disco que eu escolhesse. esse material iria pra internet pra ser baixado de graça em formato PDF.

minha primeira opção era o Radiohead, mas já tinham levado. então, já que eu tava num momento descobrindo Os Mutantes, escolhi o disco que mais gosto deles e comecei a fazer o livro.

só que não.

achei uma conversa com o Danilo via GTalk em que eu dizia se ainda podia entregar, apesar do atraso (tava quase em 1 ano, com certeza) e ele disse “claro, manda. achei que você tinha desistido”. aí me envergonhei e fiz o que sempre faço quando me envergonho: fiz uma piada estúpida (neste caso, envolvendo o Van Damme). aí o livro saiu em 2009 e foi lindo e beleza.

escolhi o título de Lado B (ou uma história de amor para walkman). lado b, por ter relação com fitas K-7 (longa história, me cobrem) e um subtítulo entre parênteses para realizar um sonho (além de ter parênteses no nome do disco de Os Mutantes).

existe todo um processo doentio de criação, do qual me orgulho, mas tenho certa vergonha em falar sobre ele. afinal, ele é tão TOMADO, que pode parecer importante conhecer isso antes de ler o livro, o que não é verdade.

vou falar meio por cima, só pra confirmar a doencinha: eu associei o texto à Divina Comédia do Dante, porque, porra, tá até na capa do disco de Os Mutantes. o disco tem 11 músicas, e o livro do Dante 3 partes. a divisão de 11 por 3 não é contaexata, então eu criei um capítulo de apresentação (-1 canção) e um epílogo (-2 canções) e sobraram 3 canções para Inferno, 3 para Purgatório e 3 para Paraíso.

\o/

aí fui ver qual das  músicas se encaixava melhor numa ou noutra parte (tem umas óbvias tipo Ave, Lúcifer). o critério do encaixe em cada parte é o maior “eu acho” do universo. eu pensava nisso lá em 2008 enquanto trabalhava numa emprego muito ruim (e tava quase saindo dele) e terminava de escrever minha dissertação de mestrado (e me preparava pro TCC – outra hora explico isso). nos meios tempos, lia uma biografia dos Mutantes e um trecho do livro me fez pensar no conceito (pode ter sido numa entrevista em vídeo também, sei lá) que daria carne à toda essa estrutura de 1 + 9/3 + 1: o Sérgio Dias disse numa entrevista que ele ouvia um efeito de guitarra, um riff, alguma coisa assim, numa música, gostava, guardava e usava na primeira música que ele conseguisse (parece que a guitarra slide de Baby saiu de algo dos Beatles – o que não saiu de algo dos Beatles também?).

na minha cabeça isso era um pedido por escrito e carimbado pra que eu usasse diversos recursos textuais pelo texto, onde eles coubessem.

aí, pendurei umas paródias de começos emblemáticos da literatura em cada capítulo (ou em quase todos), citações de música e HQ, e redistribui os capítulos de acordo com a ordem das faixas do disco e tudo terminava com 3 imagens, na época fotografadas com uma câmera ruim (na nova versão são ilustras são do genial Alexandre Lourenço). o fato de isso ser legível já é bastante espantoso e comprova o poder redentor e auto-organizador da linguagem.

o povo lá da Mojo Books gostou na época já e quando eles decidiram retomar a editora, em 2013, o Ricardo Giassetti me perguntou se eu topava fazer parte do novo catálogo, com o mesmo livro. fiquei feliz, aceitei, agradeci, reli tudo, acertei coisinhas lá e cá e o Lado B está disponível para compra digital na Amazon ou sob demanda na própria Mojo e parece que a Itiban tem também alguns exemplares. o formato epub deve sair, o livro já tá cadastrado na Google Play. assim que vier, eu avisarei.

tive dois leitores muito generosos que deixaram suas impressões sobre o Lado B: o Arthur e o Eder Alex. muito grato, queridões.

reencontrar esse material tantos anos depois, por mais paradoxal que seja, me mostrou caminhos criativos que eu tinha esquecido que eu podia usar, ou seja, novos caminhos. porque depois do final do labo, é só virar a fita e começar de novo.

2 comentários

Filed under É meu, Literatura