Category Archives: A gente tenta

Histórias a contar

Deixando cair um vaso da dinastia Hang (1995). AI WEIWEI

hoje morreu (ontem talvez) o João Gilberto Noll. segunda-feira já tinha se ido embora meu tio.

vou contar uma historinha: comecei o dia com uma estupidez. tive um momento de fúria contra um objeto (por ele não compreender o que eu queria dele). é o tipo de coisa que me intoxica, tipo passar o dia tentando não me odiar por ter sido essa fúria bestial e absolutamente despropositada.

enquanto desenvolvia uma autopunitiva azia e alguma dor de cabeça, bateu na minha timeline do Twitter a notícia da morte do Noll.

Trago de lá as observações que fiz:

encontrei a literatura do João Gilberto Noll por causa da famosa lista do Cristovão Tezza
famosa pra quem fazia Comunicação/Letras na UFPR até o Tezza pedir pra amarrar o cavalo em outra estância (era uma lista com uns trocentos livros de diversos autores, finesse da finesse literária)
eu, taradinho por listas, comecei a SEGUIR A LISTA pras minhas leituras (foi assim que encarei Montanha mágica e Ulysses, p.e.)
quando cheguei no João Gilberto Noll, fui pra Biblioteca pública do PR em Curitiba (top 5 pontos do mapa afetivo do lielsonistão) procurar
(eu, ALINHÁS, fazia isso: pegava indicação de um livro, ia pras prateleiras e olhava e olhava e olhava até colidir por acaso com outro livro: foi assim que cheguei no Camus)
((quanto texto interposto, hein)) (((acho que é coisa da memória)))
quando cheguei na estante com os livros do Noll, vi que eles eram finos e pensei “levar logo uns 3 desse caraê”
(um deles era da coleção Pleno Pecados, Canoas e marolas, a preguiça no caso, que me levou a ler os outros 6)
nessa devo ter lido uns 7 ou 8 livros do cara. são personagens em desmanche, diluindo-se, e o narrador nos dá o mundo pelos olhos deles
é tudo meio incerto, provável, um baita “pode ser”, impressionista, lírico, doído, bonito pra caralho, cenas homoeróticas soberbas
(arisco dizer que a literatura dele abriu minha cabeça pra entender isso de amor e desejo entre homens)
o Harmada, por exemplo, é um antiromance de construção. invés da formação, vemos a destituição de um personagem
tem a coisa de eu ter lido esses livros todos e mal lembrar dos enredos, porque importa pouco: o que vale é a sensação que eles passam
Esse sentimento e memória de ter lido e me sentido desse ou daquele jeito tá aqui comigo até agora. juntos, lamentamos a morte do Noll.

aumento ainda dizendo que meu tesão por histórias incertas e sem objetivos pode ter sido tonificada pela literatura do Noll.

na outra ponta da semana, meu tio Zanin. Ele também contava histórias, muito mais objetivo que o Noll. Pra ele, a coisa era a coisa, um seguidor de Alberto Caeiro que nunca o leu. Tudo que ele contava, fazia como se tivesse se passado com ele. Das situações impossíveis, pensávamos se tinha sonhado aquilo ou imaginado tanto, que virou memória.

surdo de nascença, mudo por causa disso, idade mental de uma criança numa vida de 50 e tantos anos e uma cegueira progressiva, eu pensava de onde vinham os estímulos para criar as histórias contadas com gestos firmes e efeitos sonoros, numa rede de significados. A família divergia sobre o sentido de alguns dos signos que ele criou (nunca soubemos se era um barbudo ou um papudo ou ainda um homem de lenço o principal vilão das narrativas, que tanto o atacava e recorrentemente apanhava e era posto na cadeia).

perto desses dois, minha história da manhã fica ainda menor e talvez alcance o seu ponto de ervilha no colchão.

disso tudo de hoje, sobram os livros do Noll, a vergonha e a saudade de meu tio e de suas histórias que, agora sim, estão mudas.

Deixe um comentário

Filed under A gente tenta, it's the real life?, Literatura

E então

na última vez que escrevi aqui, disse que voltaria pra comentar como foi um bate-papo com o Ramon e o Guilherme Kroll  lá na Ugra e meio que não voltei.

(fica de boas, este não vai ser um texto sobre noooossaaa faz tempo que não escrevo – tô aprendendo a não me dar tanta importância assim)

[aproveito, inclusive, pra deixar os links prometidos e até então descumpridos, dos meus textos do Bacana sobre os dias 3 (RADIOHEAD!) e 4 (SIGUR RÓS!) do Primavera Sound de 2016.]

{o bate-papo lá foi maneiríssimo, aliás}

e então?

meses depois me sento na mesa amarela em que conversei meu café da manhã por meia década, mas há meses que não. agora é de tarde, o café já esfriou e eu só procuro a próxima palavrinha pra fazer um texto que vocês gostem de ler e pensem o quanto meu texto é/pode ser massa. escrevo justamente o que leem, com um mapa daquilo que não quero falar e ajustando pouquito.

dessa vez, visito São Paulo; visito ela para dar os parabéns pelo seu aniversário; para dar um curso no Instituto HQ sobre OuCriPo (que esqueci de jabazar aqui antes [e que espero escrever sobre ele depois, mas eu não confiaria tanto assim em mim]); para participar de um evento de quadrinhos no sábado ali na Ugra.

depois, São Gonçalo – marca funda no mapa afetivo, depois, Salvador – a nova casa.

(ó eu me desaprendendo a não dar importância)

acho que a gente sempre escreve por vaidade de que gostem da gente; sempre escreve por uma ânsia de emaranhar os fios de lá e cá; escreve por estar a fim de ver as palavrinhas serelepes pulando dos dedos pra tela; escreve sem saber bem a razão. só acho, né, sei lá.

e então?

não. e agora?

agora é hora de botar o corpo pra comer e andar, porque agora é hora de acumular mais um pouco de memória pra depois escrever aqui.

Deixe um comentário

Filed under A gente tenta, it's the real life?

Os ciclos produtivos das HQs brasileiras #2

O Ramon Vitral, responsável pelo Vitralizado, bolou com a Dani e o Douglas da Ugra um curso muito massa sobre o cenário atual dos quadrinhos brasileiros, focado nas etapas de produção. Aqui tá tudo bem explicadinho. A primeira edição já foi e essa é a segunda, mas boto fé que vai ter uma terceira.

Sábado, dia 5, Guilherme Kroll (da Balão Editorial) e eu fomos convidados a falar sobre a perspectiva dos editores. Já participei de outras mesas com o Guilherme e tenho certeza que vai ser bacanoso.

Depois faço um resumo aqui de como que foi lá.

1 Comentário

Filed under A gente tenta, Continue estudando, HQs

Amsterdã dia 4

image

Postagem curta, curtinha.

Acordo 5:31 horário daqui, depois ter dormido-acordado a noite toda. Enrolo a pizza que sobrou de ontem, fecho malas, dou aquela última olhada, sento, espero, saio, check-outo e corro pro ponto de ônibus.

Consegui um esquema sovina pra não pagar outro trem pro aeroporto. Envolve busaaum, boonde, busaaum e aquele passe livre pra 24horas de transporte público.

O comovente horário que se cumpre no transporte público europeu fez com que a saída 6:07 e a chegada 7:18 acontecesse sem esperas maiores que 10 minutos (isso por eu ser cagão de perder o primeiro ônibus).

Despachei a mala, comi a pizza, bebi a água, passei pelo raio-x e pela migração e neste momento tô na Terra de Ninguém do aeroporto. Só entrar no avião, pegar busão e metrô em SP em chegar em casa,

Essa viagem acabou. Pela atenção, obrigado.

Nos próximos capítulos: mudança de casa, companheiros batutas de moradia, busca por trabalho e menos fotos no Instagram.

1 Comentário

Filed under A gente tenta, Viagem

Amsterdã dia 3

Primeiramente, bloomsday!

A programação do dia era Rijksmuseum, almoço em pub irlandês, visitar o Moco e andar a toa, fazendo o Bloom em Amsterdã. E pode dar check em tudo.

Pirei mais na parte medieval do museu. E, claro, nos Vermeer e Rembrandt. Tem pouco, pouco, quase nada de arte contemporânea. Pra quem curte, tem muita mobília, armas e maquetes de navios (porcos colonialistas).

Também tinha uma expo com estátuas do oriente e vi um budedo lá bem massa. Hum.

O museu é gigante e assumindo que não veria tudo com o cuidado devido, levei 4 horas lá.

De lá fui prum pub tomar cerveja irlandesa, comer irish  stew e ver Inglaterra e País de Gales, numa forma enviesada de bloomdayzar (também li o Ulysses no ônibus – não inteiro, né, porra).

Saí de lá bastante empanturrado, comprei água e chocolate num mercado e parti pro segundo museu, com expos pequenas do Warhol e do Banksy e acho que não recomendaria empenhar 12,50 euros nisso.

É estranho ver muros recortados e expostos, parece errado colocar aquilo entre paredes, aquilo é a parede. O Warhol é bem legal, mas a maior parte, óbvio, é reprodução.

Aí, me joguei pruma parte de Amsterdã que ainda não tinha ido, mas nem sei o nome. Andei uns 40 minutos só e resolvi voltar.

Mas aí a cerveja fez efeito e eu precisava meio que muito de um banheiro. Entrei num café amigável, pedi um espresso e

(me deixa fazer um parêntese aqui – já tá ali – os caras desse café eram italianos e acharam que eu fosse, io no parlo italiano molto bene e tal. Outras 3 vezes me tiraram pra francês).

Termino esse relato comigo mijando, tipo, Bloom e Stephen no Ulysses, sim.

Deixe um comentário

Filed under A gente tenta, Viagem

Amsterdã dia 2

Se ontem Amsterdã foi queria-estar-m-o-r-t-a, hoje foi só queria me dar um soco na boca.

Reservei o dia pro Museu Van Gogh.

Tentei acordar cedo (museu abre 8:00), mas me enrolei um tanto e cheguei no museu só pelas 10:pouco.

Aí, vou preferir não contar que o passe de uso ilimitado por 24h de Amsterdã e arredores funciona pra uma das linhas que passa no ponto do hotel, mas não pra outra que faz basicamente o mesmo caminho (com mesmo ponto final) e o motorista preferiu me cobrar 5 merkels em vez de falar peraí e pega o outro que vem daqui 3 minutos.

Também vou pular a parte sobre a falta de sinalização pra achar o ônibus que precisava. Vou focar no simpático holandês do guichê de informações que anotou os bondes que eu deveria pegar e me sugeriu comprar os ingressos antes pra pular fila.

Chegando no museu, vou esquecer do funcionário que me mandou pra fila errada e pro guarda do museu que brigou comigo quando fotografava uma placa com nome do quadro (achei que podia, porque tinha gente fotografando com câmera profissa do lado) e vou me concentrar no museu.

O museu Van Gogh é nível PUTALAMERDA.

São 3 andares com muitas pinturas do Vincent, um ou outro objeto pessoal, algumas das populares cartas que ele mandou pro Theo, além de pintores relacionados, tipo amigos, influências e influenciados.

Tem também um espaço pra expos temporárias, que dessa vez era o retrato das prostitutas. Picasso, Munch, Van Gogh em doses comedidas e Degas e Toulouse-Lautrec em quantidades paquidérmicas. Foda de lascar, óbvio.

Ele é realmente bastante cheio, mas se usar alguma GINGA E MALEMOLÊNCIA, você consegue estacionar sozinho, por exemplo, na frente de O quarto por minutos (fiz) (pelo menos nessa época que vim).

Mas eu estacionei o ônibus da atenção na frente da área de um desenho fudido, que é estudo pruma pintura que está em outro museu. Todos os desenhos do Vincent me possuem, mas poucos estão expostos, por causa da conservação da bagaça. Pena.

Acabei pendurando na memória mais uma tela: Three roots, uma inacabada, embora tenha coisa o bastante já pra eu me encaixar ali. Toda a fase dos últimos 3 anos de vida do Van Gogh me comovem muito.

Nessa pira do museu acabei sem almoçar. Achei um mercado, comprei coisas almocentas e sentei pra comer quando CHOVEU. Era uma garoinha bostona que me impedia de comer, mas deixava caminhar pela cidade.

Liguei o esquema ande à toa por aí e veja o que aparece. Apareceu uma boa vontade minha Amsterdã.

Deixe um comentário

Filed under A gente tenta, Viagem

Barcelona dia 15/ Amsterdã dia 1

Barcelona hoje foi só pra tomar café.

Saí bem cedo por causa da huelga de trens na Espanha e consegui chegar com um bom tempo no aeroporto. O resto foi trâmites de viagem, esperar, escrever, comer, embarcar.

Em Amsterdã, desde que pus a mochila de 11 kg pra fora do Schiphol, só trolha. Começa com uma fila tupiniquim pra comprar a passagem de trem, num sistema com diversas opções, cheias de estações com nomes holandeses. Quando o sudoku de vogais abundantes é resolvido, você pode descobrir que a máquina não aceita dinheiro, só moedas.

Isso vencido, pode ser que você pergunte prum fiscal se o bilhete que comprou (e que autenticou porque fortuitamente viu alguém fazendo e macaqueou o movimento) é daquele trem, ele confirme e que seja o trem certo pro bilhete errado, fodendo o caminho que sabia fazer.

Numa dessas, você descubra estudando cartelas de linhas de ônibus, que pode usar o mesmo número que usaria mesmo, só que em outra direção. E vai que não tenha nenhuma indicação muito clara em inglês de pra onde ir e que você consiga entrar no busão, confirma com o motora, mas descobre que não sacou o sistema de aviso de paradas em holandês, o que, quem sabe, te leve a um paniquito.

Talvez um signore italiano te dê a buona parola e te ajude a descer no ponto perto do hotel e te aponte onde a bagaça fica, que logo ali, atrás daquilo tudo lá.

Pode ser também que você tenha achado que um hotel mais barato há alguns quilômetros do fervo não seria um problema e que os ônibus pra essa região não iam custar 5 euros, que você estaria longe de tudo e que esse coño de lugar de moradia teria um lugar pra comer e você não teria que comer no hotel.

Acontece às vezes de tudo isso mais os preços altos nos Países Baixos faça você querer remarcar a passagem e ir embora. Pode rolar de você tomar um banho e ver o por do sol lá pelas 22:30 e pensar que os gigantes voltaram a ser moinhos e amanhã é mais um dia pra Quixote.

Deixe um comentário

Filed under A gente tenta, Viagem

Barcelona dia 14

Tá lá, a segunda antes do dia de vazar de Barcelona caiu no vácuo do não planejamento. Deixei assim, pra resolver na hora. Daí que acordei e pensei “porra, praia” e fui.

Não sou nem remotamente praieiro, embora curta o litoral que nem velhinho: caminhadas pra sentir o vento marítimo e o cativante som das ondas à noite.

A praia daqui é badaladinha e tal, porém em Poblenou ela é menos frenesi que Barceloneta.

Caminhei uns quilômetros pela praia (de camiseta do ruído/mm) e voltei. Nesse entrecaminhos vi velhinhos pelados (tem uma parte nudista da praia), nórdicos deitados horas no sol e cultivando câncer de pele, e vermelhão na minha pele.

Fui pra casa, comi as sobras do domingo, comecei a melancólica ajeitada da mochila de viagem, limpar o tênis e chega a mensagem de O., amigo da primeira faculdade que passava por Barcelona.

Resultado: segundo rolezinho na praia, muita conversa e a paulada: a gente não se via a uns 6 ou 7 anos. Daí me lembrei que quando via As meninas, do Picasso, pensei se aquela não era a última vez que via aqueles quadros.

Eu tô sentimental o necessário pra empacar com essa informação.

Deixe um comentário

Filed under A gente tenta, Viagem

Barcelona dia 13

Mais um dia dedicado ao nada, afinal, domingo é dia morgado por aqui também. Es lo que hay.

Começamos com a notícia do massacre em Orlando. Não comentamos muito, porque não temos o que falar.

À tarde, amigos da Anfitriã chegam. Yo no hablo español, pero tento acompanhar as conversas como posso – exercício que me encanta, aliás.

Depois, meu primeiro contato, bastante tímido, com a praia de Barcelona num passeio de fim tarde. Vejo no Twitter notas sobre o frio no Brasil e eu, que gosto de gelado, na praia em Barcelona. Não reclamo, só me parece um pouco injusto com os esfriados. Es lo que hay.

De resto, só a vida a resolver no Brasil já me dando tchauzinho.

Es lo que hay.

Deixe um comentário

Filed under A gente tenta, Viagem

Barcelona dia 12

Um dia pra acordar tarde, comprar mais uns pares de meia e ficar em casa bebendo cerveja com a Anfitriã. É claro que quando se vai a casa de um amigo não vai lá pra tomar-lhe uns metros quadrados e lençóis emprestados, também é pra roubar sua atenção e ocupar as horas com conversas.

Acho importante dias intensos de caminhada decorados por singelos cotidianos preguiçosos. Assim me parece que vivi melhor esses lugares estrangeiros que não me pertencem (talvez um pouco agora).

Deixe um comentário

Filed under A gente tenta, Viagem