Monthly Archives: Março 2015

1/2

Escrevo este texto no dia de meu aniversário, no ano em que meu pai tem o dobro da minha idade (isso nunca mais se repetirá). Pensei nisso dias atrás, quando liguei pra lhe dar os parabéns, afinal, ele adora números e coincidências (uma vez ele concluiu que caso o salário do Ronaldinho no Barcelona era de 25 centavos de real por segundo “se jogar no chão em moeda ele não vence catar!”, me contou divertido e entusiasmado).

Ia lhe falar do nosso par de 70/35, mas deixei. Eu tive um lampejo que aquilo poderia lhe soar ruim, não sei. Ou talvez eu tenha pensado que uma vida não se tem pelos dobros e metades que nos chegam.

Veja, eu viajei muito mais que meu pai, voei, fui pra outros países, wanderlustei, e isso não cobre o dobro que ele tem. Não se mede uma vida pelas milhas de viagem.

Ele jogou muito mais futebol que eu. Foi artilheiro de campeonatos amadores, tentou testes em profissionais, quase foi, mas não deu. Mas isso não cobre a metade que eu tenho. Nosso cálculo também não usa suor e gols como meta.

Li muito mais livros que meu pai, que lê um pouco de jornal e gosta de telenovela. Reli Ulisses, me formei com Baudelaire, fui derrubado por Stoner. Mas não, isso também não cobre o dobro que ele tem. Nossa história não é marcada em páginas.

Meu pai teve muitos negócios. Vendeu quinquilharias em estradas rurais na década de 1960, negociou tecidos, roupas infantis, doces e hoje vende agulhas, botões e fios. Mas isso também não garante sua metade a mais. Nossa contabilidade é outra.

Fiz duas faculdades e um mestrado e meu pai foi desestimulado da EJA por um professor; ele tem um filho em São Paulo e teve um pai em Chapecó e eu só tenho ele em Francisco Beltrão; ele hoje sofre de labirintite e odeia ter de tomar remédios todos os dias e eu me cuido pra não medir a vida em colherinhas de café.

Nada disso explica dobros ou metades, nada disso explica o tempo que passa (que ao contrário do que dizem, sinto leve e não pesado; leve porque ele se esvai e some sem parecer que um dia veio). Nada disso explica a mim, meu pai ou qualquer outra coisa. O que explica então?

Não sei o que explica. Precisa?

3 comentários

Filed under A gente tenta