Carta para Lena Dunham

querida Lena Dunham,

tudo bem? eu sei que essa coisa de mandar carta é um pouco antiquado e tal, e pelo que eu vi no Girls seus personagens são bem mais modernos e tudo, mas convenhamos: estou escrevendo em português e num blog. isso nunca chegará a você mesmo.

eu poderia até chamar este texto de muitas outras coisas, mas gosto de “carta” (era pra ser carta aberta, mas achei deveras pomposo – tipo a pompa de “deveras”, “carta aberta”, essas coisas).

assisti toda a primeira temporada de sua série. apesar de muita gente que eu gosto e respeito ter odiado, consigo assumir publicamente que eu gostei do que vi. dentre um monte de cenas e elementos, acho justo ao seu ego (e à minha justificativa) citar ao menos as primeiras lembranças que tenho.

gosto muito de a personagem principal ser você e de que ela tenha o seu padrão de beleza. se a Hannah fosse uma magrela de cabelo escorrido, com ancas suntuosas e peitos enormes, o seriado perderia demais. cavocar esse espaço pra outros formatos de corpos é lindo, é certo, é assim que tem de ser.

sem falar que é muito corajoso você se mostrar nua tantas vezes sem ter todos os atributos típicos de borracharia (evito dizer o que acho de suas tatuagens pra que esses comentários não ganhem o peso irônico que não devem ter).

gosto da demarcação de espaço da série: não somos o Sex & The City. 3 amigas seguindo um pouco padrão da série da Carrie, mas com muito mais atitude (a saber: a criativa protagonista com graves problemas, mas que é massa; a patricinha recatada com problemas de relacionamento e com restrições sexuais, e a porra-louca que tenta encobrir sua solidão com ideia de espírito livre). juntam-se a elas uma personagem alucinada e típica de humor, Shoshana, que poderia por toda a série a perder pela falta de realismo, mas funciona. Shosh alivia a seriedade de Girls, além de ser a deslumbrada com Sex & The City, pondo as cartas na mesa (muito boa essa, Lena) (ah, quase me esqueço da cena do crack, que é genial).

adoro a trilha sonora da série. o tipo indie medzzo dançante, medzzo mimimi é meu tipo de som. bate aqui, lena o/

voltando ao papo “estudos culturais“, acho que você concorda comigo que nossa sociedade continua puta machista e, por isso, é demais ver meninas no poder, mulheres tomando atitudes, jogar ao público moças enfrentando o mundo. juntando isso com a pegada realista da série, temos mais um ponto pra você e sua obra, Lena.

acho que os coadjuvantes vão bem, principalmente o Adam que é tão esquisito quanto a Hannah (acho isso bom, meu sonho é ser cada vez mais esquisito). e eu adoraria ter pensando na cena do muro cheios de cartazes de ‘sorry’.

e, é claro, todo mundo já falou, mas sua percepção sobre essa geração que fazemos parte, de quase 30 anos sem nenhum respaldo financeiro, poucas oportunidades, uns desesperados por carreira profissional mesmo sem nunca ter tido uma, interconectados, solitários e tal (vou chamar essa galera de “fodidos”, ok?). tua série chegou na hora certa falando desses fodidos, centrando o foco nelas, nas fodidas. sensacional!

(agora, Lena, você até imagina, né? é o momento do maldito mas. ah, essa adversativa canina que tanto barra um vendaval de elogios e se abre às críticas.)

Lena, xuxu, algo aconteceu na segunda temporada de Girls. tenho cá meus palpites, e tenho certeza (visto que não lerá) que não se importa que eu PALPITE.

claro, a pressão depois da visibilidade e do sucesso da primeira temporada deve ter sido foda e tudo, mas a segunda começa mal. você se esqueceu dum lance essencial pra Hannah: a fodidice. sim, ela não ter mais dinheiro dos pais e nem conseguir se segurar em empregos e se desesperar pra pagar contas enquanto tenta escrever, isso dava o tom da série. se ela está tranquila com isso e começa a arranjar trabalhos como escritora, o interesse começa a baixar.

essa personagem precisa estar em conflito permanente, ela tem de ganhar e perder e ir em frente (ou pro lado ou atrás). mas não, ela está lá, sussa. seu único problema são os namorados (ou peguetes), que não duram mais que um episódio. ou seja, não são problemas duradouros.

acho que Girls teve uma perda considerável quando o Adam se afastou. existe uma reação boa entre Hannah e ele e isso se perdeu.

outro ponto: no segundo episódio da segunda temporada (2×02) já fedia a algo podre. por deus, Lena, o que é aquela cena da Jessa e da Hannah num piquenique no meio da tarde, bebendo vinho e brincando com filhotinhos? sim, é isso mesmo: cheiro de Sex & The City!

não fique chateada. lembre-se, você nem leu isto mesmo! e por isso vou continuar a reclamar mais um pouco.

a amiga patricinha Marnie não evoluiu, e continua naquela aporrinhação de pega e volta com o ex, embora a perda de emprego tenha posto ela numa situação interessante. assim como aconteceu com Jessa e o fim do seu casamento. Aliás, Lena, que cena aquela do final do episódio 2×04, hein? ali tá um recurso muito bom da série, quebrar o drama com o grotesco. você faz isso dum jeito que funciona bem demais. e a Shoshana também está virando uma personagem mais séria, que me parece ruim.

Lena, eu tentei evitar, mas eu não consigo. o motivo dessa carta é o episódio 2×05. eu tentei colocar tudo de modo muito racional até aqui, mas estamos perto do ponto em que eu perco o controle.

Migona, o quinto episódio da segunda temporada de Girls é o PIOR EPISÓDIO DE QUALQUER SÉRIE QUE EU JÁ TENHA VISTO (e eu assisti Sex & The City e Chaves). a coisa é tão tenebrosa que valeria usar em aulas num exemplo negativo do que deve ser feito (desculpa a sinceridade).

o realismo que é o tom da série é traído e a coisa vira um conto de fadas da menina pobre encontrando seu príncipe encantado. Lena, que é isso? até tu caindo nesse papinho Disney way of life? você até é carregada nos braços dele depois de desmaiar.

o príncipe em questão é um 40ão, médico (capaz de faltar ao trabalho pra passar o dia trepando com a primeira estranha que lhe bateu à porta), cara quadrada, separado. ah, sim e clichê.

o conflito desencadeador de toda a ação é ridículo. o vizinho gatão que está incomodado com sacos de lixo a mais na sua lata, porque (coisa que ele não sabe no começo do episódio) a Hannah perdeu a chave da lixeira e aí espalha o lixo em latas alheia pela vizinhança. sério, é isso mesmo? parece trama de filme pornô em que qualquer coisa vira desculpa pra sexo.

aqui chegamos num outro problema: porque todos os caras que a Hannah pega são lindos, de corpos malhados? nenhum gordinho, nenhum magrelo. por um lado há o enaltecimento da diversidade de corpos, por outro não (não nego, entretanto, que o corpo feminino é muito mais reprimido e se se deve escolher, a escolha certa foi feita – porém, você não precisava escolher).

eu preciso te confessar, Lena: estava assustado e irritado com essa trama capenga (tanto, que já torcia pra você acordar ou algo do gênero, pois esse clichê seria um alívio perto do que estava na tela) e então me dei conta de que no episódio TUDO é falado, na melhor tradição da novela global brasileira: Hannah está triste e se sentindo só e ela diz que está triste e se sente só; Hannah está confusa, ela diz que está confusa. Lena, o que aconteceu com você? nem nos piores momentos da série, o roteiro esteve tão amador e ruim, a ponto de um amador perceber.

reveja o episódio. repense. não faça mais isso com seus expectadores e com você mesma. eu nunca esperei a profundidade de Tony Soprano, o humor de Seinfeld ou os múltiplos enredos de Madmen em Girls, mas também não esperava ver um Malhação cool que se passa no Brooklyn e legendado.

Lena, não sei se voltarei um dia pra série, o trauma foi intenso. acho melhor que cada um de nós siga seu próprio caminho agora. tenho certeza que você não vai sentir falta deste expectador aqui. se um dia desistir de fazer um Sex & The City sujinho mas arejado, me avisa. vou ter prazer em ver.

Um abraço

Lielson

5 comentários

Filed under Cartas

5 responses to “Carta para Lena Dunham

  1. Achei que tu foi até bonzinho demais com ela!

  2. Marcelo Urânia

    cara, tb desanimei total de girls ali na metade da season 2. com raça, continuei e a segunda tava melhorando PACAS, mas aí nos dois ultimos episódios cagou geral de novo. não vejo mais, nem pela allison williams http://www.imdb.com/name/nm4129745/ hahaha

  3. Pingback: As garotas sujas | Lugar Certo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s