Leiturosseia do Ulysses – Capítulo Dois (p. 1)

Media_httpulyssesseen_xaqyx

Vamos ao nosso sobranceiro e fornido guia da leitura do Ulysses. se tu chegou agora e quer entender o que está acontecendo, leia as postagens cronologicamente e tudo ficará bem, eu prometo.

este segundo capítulo é mais curto e de leitura muito mais rápida que o primeiro. o estilo catecismo (pessoal) é esse estilo cheio de perguntas e respostas do texto. ainda estamos na Telemaquia, ou seja, acompanhamos Stephen Dedalus.

e onde começa o capítulo? começa no meio da aula de história (que é a arte desse capítulo) que Stephen dá a seus alunos.

e os alunos gostam de Stephen? Olha, até gostam, mas ele não aquele professor transformador. mal bate o sinal saem a toda para jogar Hockey.

todos eles se vão? Não, um menino, Sargent, pede ajuda a Dedalus, que muito de má-vontade, atende ao piá.

mas porque má-vontade desse tipo? porque ele acaba por se reconhecer naquele menino frágil e odioso, que mesmo assim, é amado pela mãe.

isso quer dizer que retoma-se o espectro da mãe a assombrar o senhor Dedalus? sem dúvida retoma-se.

tá, mas e daí? daí o senhor Deasy chama Dedalus ao seu gabinete para lhe pagar o salário.

mas só isso? não, o senhor Deasy também pede para que Stephen leve uma carta que ele escreveu denunciando uma conspiração judaica-manchesteriana para acabar com a moral do gado irlandês, acusando-o de ter febre aftosa.

e o senhor Deasy deve ser levado a sério? não, ele é um preconceituoso, elitista, monarquista e antissemita. evite esse tipo de companhia.

e o Stephen joga a carta do nazista avant la guerre fora? não, ele a guarda no bolso e ainda tem de ouvir uma piadinha antissemita no fechar do capítulo.

mas cadê a história, que é a arte desse capítulo? infiltrada nos diálogos, principalmente história da Irlanda que dá as caras no papo de Deasy e Dedalus.

bacana! tem alguma citação bacanuda pra mostrar? sim, anotei algumas:

“O rosto de menino cegamente perguntava à janela cega.

Fabulado pelas filhas da memória. E no entanto foi de algum modo como se não como a memória fabulou. Uma frase, então, de impaciência, o baque das asas do excesso de Blake. Ouço a ruína de todo o espaço, vidro estilhaçado e alvenaria desmoronada, e o tempo uma lívida flama final. O que nos resta então?” (p. 124) – Stephen diante da indecisão de um aluno em responder-lhe.

“O píer de Kingstown, Stephen disse. Isso mesmo, uma ponte desiludida.” (p. 125) – aula de Stephen

“Para eles também a história era uma estória como outra qualquer repisada demais na memória, sua terra, uma loja de penhores.” (p. 125) – Stephen sobre seus alunos

“Tem de ser um então movimento, uma manifestação do possível como possível.[…] O pensamento é o pensamento do pensamento. Plácida luz. A alma é de certa forma tudo que existe: a alma é a forma das formas. Súbita, vasta, placidez incandescente: forma das formas.” (p. 126)

“Ela não era mais: o trêmulo esqueleto de um graveto queimado no fogo, um odor de jacarandá e cinzas úmidas. Ela o salvara de ser pisoteado e havia ido, mal tendo sido.” (p. 129) – Stephen, sobre a imagem da mãe morta.

“Pela página os símbolos mourejavam em dança grave. Graciosos na arlequinada de suas letras, usando gorros de quadrados e cubos. Deem-se as mãos, cruzem, saúdem o parceiro: assim: diabretes da imaginação dos mouros.” (p. 129) – narração de Sargent fazendo a lição de matemática.

“Como ele era eu, esses ombros caídos, essa falta de graça. Minha infância se curva a meu lado. Longe demais por que possa pôr-lhe a mão uma vez ou levemente. A minha está distante e a dele secreta como nossos olhos. Segredos, sílices silentes, repousam nos palácios escuros de ambos nossos corações: segredos exaustos de sua tiranias: tiranos desejosos de se ver destronados.” (p.129-130) – Stephen se reconhecendo no pequeno Sargent.

“– Eu tenho medo dessas palavras grandes, Stephen disse, que nos deixam tão infelizes.” (p. 133) – Stephen em diálogo com Deasy.

“– A história, Stephen disse, é um pesadelo de que eu estou tentando acordar.” (p. 137) – diálogo com Deasy.

pra mim, essas duas últimas frases são tatuáveis de tão boas.

 

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s