Monthly Archives: Maio 2011

Como foi o lançamento de La naturalesa

5649298637_a1e24731af_z

veja abaixo o meu bate-papo com o DW, na sacra estrutura da Itiban, durante o lançamento de La naturalesa.

para ver o resto, vai lá no blog do DW.

impressionante meu movimento facial enquanto falo.

e claro, as malditas mãos que bailam loucamente pelo ar.

patético.

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Aspas pra Ernesto Sabato

Media_httpconexaobuen_jduhc

uma passagem – dentre diversas – muito bonita de Sabato, na tradução de Janer Cristaldo:

“Mas nesse momento, naquele caloroso dia de verão, naquele úmido e pesado entardecer, com a transparente bruma de Buenos Aires velando a silhueta dos arranha-céus contra as grandes nuvens tormentosas do oeste, apenas eriçado por uma brisa distraída, sua pele se estremecia apenas como pela lembrança apagada de suas grandes tempestades; essas grandes tempestades que certamente sonham os mares quando dormitam, tempestades apenas fantasmagóricas e incorpóreas, sonhos de tempestades, que só conseguem estremecer a superfície de suas águas como estremecem e grunhem quase imperceptivelmente os grandes mastins adormecidos que sonham com caçadas ou combates.” (SABATO, Ernesto. Sobre heróis e tumbas. Abril: 1986, pp. 142 e 143)

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Passadinho…

Media_httpfarm3static_chive

Recorda: O Tempo é sempre um jogador atento

Que ganha, sem furtar, cada jogada! Ë a lei.

O dia vai, a noite vem; recordar-te-ei!

Esgota-se a clepsidra; o abismo está sedento.”

BAUDELAIRE, Charles – O relógio in Flores do Mal (trad. Ivan Junqueira)

tenho tentado.

acho que não o suficiente, mas tenho.

me livrei de jogos do Facebook, reduzi meu período no Twitter e no e-mail, mas o efeito ainda não veio.

a pilha de livros só aumenta (talvez, se eu parar de comprar e emprestar da Biblioteca), os filmes a ver já ocupam muitos GBytes, as correções da pós-graduação em HQ vão se escoando, digo sim a frilas, digo sim a congressos e não começo – simplesmente não começo – a escrever.

a covardia de falhar se banha na arrogância de que posso fazer a qualquer momento.

Media_http1bpblogspot_abvnl

em Beltrão, minha mãe disse, meio que por brincadeira:

“se eu tivesse mais um filho, obrigava a ser médico e ganhar dinheiro. de sonhador, já basta um.”

como diz Saint Bachelard, o sonho é importante e sem ele não há mundo desperto.

mas a matéria antiplatônica tem de ser erigida e não basta apenas o prático e onírico.

é preciso a consciência do desperdício.

do dia comido pelo próprio dia, oroboro cósmica do puta que te pariu!

que ninguém me fale em passatempo, eu quero um paratempo!

eu quero um fluitempo, eu quero um melevajuntotempo.

nem que seja só por um instante.

8 comentários

Filed under Uncategorized

Fechando a semana

Media_httpsantamonica_elota

vou-me a Francisco Beltrão.

meus pais e minha infância empacotada em memória cercadas por parênteses de 8 horas sobre rodas.

arrumando malas, trabalhando, escolhendo os livros a empilhar e afins, sobra pouco pro Lugar certo.

(e não seria essa a maldita síntese da minha vida? depositar o tempo no lugar errado mais vezes – tempo? – que eu gostaria?

nos vemos lemos segunda-feira.

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

As incríveis aventuras das conversas entre pai & filho

Media_https1moviefanf_dnevb

mais uma da etiqueta inexistente Oficina do nelson de Oliveira. essa era sobre uma relação entre pai e filho.

olha aí:

Acho que foi o pai quem sugeriu o topo do prédio para “conversar”. O filho já sabia o peso da cena: papo de pai pra filho.

clichê.

Subiram as escadas e chutaram poeira em silêncio pelo terraço. O pai foi até a mureta que separava teto e chão, colocou o pé e apoiou os braços na perna; gostou do calor no rosto e do som do vento. O filho, cumprindo bem seu papel, parecia brutalmente desinteressado.

O pai o chamou com um gesto silencioso, porém gentil. Que mais poderia fazer o filho, se não ir? O pai pesou a mão no ombro do rapaz, que manteve as suas nos bolsos da calça.

O pai tirou sua mão do ombro do filho e sem olhar pra ele, falou: “Filho, a vida é uma coisa louca. Hoje estamos vivos, amanhã não estamos mais.” O filho não pode deixar de pensar – nem tentou deixar, na verdade – como o discurso parecia batido.

“Por isso quero que tenha cuidado ao andar por aí, não se exponha, guarde suas coisas pra si.”

O filho olhou para o pai. Achou que ele merecia, ao menos uma casca de atenção. “Nem sempre quem a gente ajudar, vai entender ou dizer um ‘muito obrigado’. Mas faz parte da… coisa toda.”

“É claro que a herança será sua, e você vai ter que continuar o meu trabalho.”

O pai olhou para o filho, que dessa vez ignorou a situação copiada de tantos filmes.

“Você quer isso, filho?”

“Pai, eu até quero… Mas eu preciso MESMO usar uma capa?”

Media_httpwwwjskogerb_lmgie

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Procrastinação

Media_http4bpblogspot_vuawo

este texto foi feito pra uma oficina de criação literária, ministrada pelo Nelson de Oliveira em Curitiba no final do ano passado.

o objetivo era fazer um texto com repetição, com uns trejeitos de música minimalista.

segundo a bondade do próprio Nelson, esse texto é irretocável pra proposta apresentada.

(momento de autovanglória)

percebeu que ele disse IRRETOCÁVEL?

saiu isto aqui:

Media_httpmainmakeuse_ejntc

PROCRASTINAÇÃO

Alberto termina o almoço e olha pra folha em branco na pilha de papel. Sabe que precisa escrever para o 1º concurso beltronense de romances. Mas não à mão, assim não conseguirá acabar. Precisa de uma máquina de escrever. Fica pro próximo ano.

Alberto termina o almoço e olha pra folha em branco na máquina de escrever. Sabe que precisa escrever para o 2º concurso beltronense de romances. Mas não à máquina, assim não conseguirá acabar. Precisa de um computador. Fica pro próximo.

Alberto termina o almoço e olha pra folha em branco na impressora. Sabe que precisa escrever para o 5º concurso beltronense de romances. Mas não nesse computador barulhento, assim não conseguirá acabar. Precisa de um notebook. Fica pro próximo.

Alberto termina o almoço e olha pra folha em branco na tela. Sabe que precisa escrever para o 10º concurso beltronense de romances. Mas seu peito dói e cai sobre a folha branca.

 

 

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Luto para um amigo

Media_http3bpblogspot_nwufy

cercado pelo casamento real de um lado e pela morte (insira sua dúvida conspiratória favorita sobre isso aqui) de Osama Bin Laden, se centra o mais importante – na verdade, pior – acontecimento do final de semana: a morte do escritor e pintor argentino Ernesto Sabato.

não precisa se sentir estúpido ou, pior, fingir que conhece o mestre gringo. pouco falado no Brasil e obscurecido pelos magistrais Cortázar, Bioy Casares e Borges, Sabato chama pouca atenção no meio literário daqui.

Media_httpdiuolcombrd_cgahg

Media_http1bpblogspot_gders

mas essa injusta atenção pequena, é em nada desprezível. a Compania das Letras tem tudo (ou quase) do hombre em sua linha editorial.

o sempre foda Zé Castello escreveu sobre ele. leia.

Media_http4bpblogspot_jiggi

eu fui amigo de Sabato.

não, nunca o encontrei, nunca apertei sua mão e passei pelos segundos sem saber o que falar pra um ser humanao que (a mim) é (ainda É) tão admirável. nunca escrevi cartas pra ele ou e-mails (que eu duvido que ele tivesse). mas ele me conhecia muito bem. e eu a ele.

fomos amigos, e nossas conversas, urdidas pelo Túnel, Sobre heróis e tumbas, Homens e engrenagens e tantas outras palabras, apesar de iguais, cometem novidade. sempre.

ele me falava sobre o cientificismo e do racionalismo dogmático, que segundo ele, são a pinoia desse pampa desumanizador.

quando o conheci, em meio de um capítulo de Homens e engrenagens, no primeiro ano de faculdade, eu entendi alguma coisa. até hoje, não estou bem certo o quê, mas entendi. nessa época, Sabato já tinha abandonado a ficção e praticamente parado de escrever. apenas pintava, em sua casa em um lugar chamado Santos Lugares.

Media_httpbudapestcer_zzqbm

pintava, até que esses olhos, perenes apontadores pro mundo, cansaram. e, nas armadilhas do idioma, no sábado passado, Ernesto Sabato morreu.

eu já tinha sentido que perdia um tio distante quando José Saramago morreu (não se fica impune a ler tanto o escrito de alguém), mas com o Sabato quem se vai é um tio querido, que nunca vi e nem verei, mas que encontrei mais vezes do que a mim mesmo.

como ele mesmo me disse, quando explicava porque a humanidade não se arrebata por uma onda suicida quando compreende sua mortalidade e vacuidade do viver:

“Que valor existiria se trabalhássemos e vivêssemos entusiasmados se soubéssemos que nos espera a eternidade? O maravilhoso é que o façamos apesar de nossa razão nos desiludir permanentemente. Como é digno de maravilhamento que as sinfonias, os quadros, as teorias, não sejam feitos por homens perfeitos, mas por pobres de seres de carne e osso.” (Homens e engrenagens, p. 129, Papirus, 1993)

vou continuar a conversar com Sabato. eu me vou um dia, e ele vai continuar a ser ouvido. quem sabe eu mesmo continue a ouvir…

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Luto e minha voz

Media_http1bpblogspot_zlygf

toda a equipe do Lugar Certo (que sou eu) está em luto pesado pelo passamento de Ernesto Sábato. mas falaremos (eu e mais quem?) disso amanhã.

hoje, ouçam meus palpites sobre a carreira de Frank Miller no Anticast Design, com o Liber PazRogerio Coelho, Ivan (dono do podcast) e Reberson.

aqui, quando tudo foi bem pro Miller e aqui quando depreciamos o trabalho do cara, tirando o sono dele e sua razão de viver.

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized