Domingo e a dor de cabeça

Media_httpwwwxmarkjen_egedd

foto por Mark Jenkins, disponível em http://www.xmarkjenkinsx.com/

 

Teve uma época da minha vida que achei por bem acolher uma dor de cabeça dominical e, como se o desagradável fosse uma lagoa onde minha cabeça afundasse assim convivia: uns iam a missa; a mim vinha as dores de cabeça.

como o tempo, a dor foi se profissionalizando a ponto de me fazer escorar as paredes mais próximas de mim, pois poderiam cair tamanha insatisfação minha cabeça acusava.

me formei em publicidade, passei no vestibular de Letras e entrei no mestrado usando a técnica da cabeça doída. e o quero coisa de domingo virou roupa de bater todo dia.

certo domingo me dei conta do problema, quase que por acaso, quase que sem querer, quase que por quase: enrolando meus cabelos distraído diante de um chato campeonato inglês de football encontrei lá um objeto pontiagudo.

imediatamente o retirei de minha cabeça e percebi que era uma espécie de barra inclinada que mantinha seu ângulo de 45 graus em relação ao mundo não importa o que acontecesse. avaliando o material e comprando com materiais similares de uma apostila sobre tipografia, entendi se tratar de um acento agudo.

fiquei preocupado se aquilo não prejudicaria minhas, à época, idéias. mas percebi que o acidente da solução me tornava um homem de vanguarda e que ideias não precisam de acento, precisam de clareza.

Media_httpwwwfashionb_ihgdu

minha cabeça ficou, desde então, doida, mas não doída. guardei o agudo no armário, caso eu precise fazer outro vestibular. ou outra reforma ortográfica.

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s