Monthly Archives: Novembro 2009

Estudo dos tempos e movimentos

Media_httpwwwcepaifuspbrefisicaimagensmecanicaensinomediocap03solarmedjpg_btlockvlbradwcp

Vivemos tempos. tão estranhos, mas tão estranhos, que os tempos sequer se banham em adjetivos.

Vivemos tempos.e um de cada vez. se eu fosse músico poderia falar de movimentos e evoluções em sinfonias, e de ritmos e andamentos em sonatas, valorizando com este os tempos e com aquele os movimentos.

“Não, cara. eu não posso assinar. tenho filho pra criar entende? você entende, né? mas eu sauper apoio o…”

Movimento. uma ação, um drama do corpo em resposta ao mundo. um improviso impensado. um movimento acontece dentro de uma caixa de tempo. e as caixas de tempo só podem ser vistas quando enchem-se de movimentos. senão ele passa.

“olha, mal aí. pode ser ruim pra vocês, mas eu vou ganhar um monte de hora extra. não assino. vai almoçar já?”

de movimento em movimento, esvai-se o tempo. e com o tempo, esvai-se, afinal vivemos tempos.

“eu sabia que era perda de tempo…”

Quanto tempo já se foi pensando em tempo passando, em tempo pasado? o tempo está em movimento. e em movimento célere. quando se vê, não há mais o que ser visto: já foi passou. acabou.

“senhor? está na hora…”

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Ato 5

Media_http4bpblogspotcomnmbdd3kuoswffstbexfiaaaaaaaaceqc4p9e9gymus1600ato5webgif_eyyyeahjuowihql

 

Hoje tem lançamento da revista do André Diniz e do José Aguiar lá na Itiban. O Zé é um dos quadrinistas mais fodas do Brasil. quem duvida, dê uma olhada na variedade de estilos de Quadrinhofilia, outro álbum do cidadão; o André Diniz é outro monstro. roteirista de primeira linha, publicou o ótimo 7 Vidas.

falando em Itiban e Ato 5, tá aqui minhas observações sobre a revista, no blog da Itiban.

Simbora lá. é hoje às 19h!

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Novo chapéu

Seguindo a sugestão dela, troquei o topo por um “pedaço” de quadrinhos clássicos.

O que você vê ali em cima é a parte de baixo da primeira página de Master Race, publicada pela EC Comics, em 1955.

A arte e o roteiro é de Bernard Krigstein e a história trata sobre intolerância e antissemitismo.

leia a história completa AQUI.

esse aqui é outro trabalho de Krigstein.

Media_httpwwwbkrigsteincomsubwaysub02jpg_yxbyfhgusnsvrhm

(Subway # 1, 1968, óleo sobre alumínio)

batuta, não?

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Lost in translation OU Títulos a beira de um ataque de nervos

Eu admito: não me sinto nada original e cogitei até não escrever sobre isso.

mas por fim, me meti atrás do teclado e está aí: algumas graças da tradução de títulos de filmes. eu, um entusiasta de listas (leu o blogue ontem?), categorizo em pelo menos três essas traduções:

Tipo, totalmente em português brasileiro

Media_httpcarteiristanosapoptlost20in20translationjpg_npejsdhpbniinsw

Esse não é dos piores, mas ser uma espécie de metalinguagem, já que o título original se perdeu na tradução, é do caralho.

Media_httpashleymhowefileswordpresscom200902ropejpg_pdobocjrwvzdral

já esse é totalmente criativo: haja capacidade pra sair de A corda e chegar a Festim diabólico.

Media_httpthebeatgenerationnetwordpresswpcontentuploads200812lunchposterjpg_ygwyececmfgqawa

Como alguém consegue ver este filme e falar: já sei! que tal Mistérios e paixões? levei anos pra saber que uma adaptação do livro existia.

Totalmente em, tipo, português europeu

Media_httpbatatatransgenicafileswordpresscom200905vertigojpg_ctinnadhlwoihdo

Apesar de Um corpo que cai ser bastante legal, os lusitanos nos moeram: A mulher que viveu duas vezes. Jesus multiplicou pães e peixes. os tradutores, palavras

Media_httpgirlsaredeathprooffileswordpresscom200909ingloriousbasterdsposter1jpg_cguzyainuygizid

esse, confesso, é que motivou a minha postagem. creio que Sacanas sem lei fale por si só.

Media_httptrueendeavorsfileswordpresscom200907aharddaysnightposterc10126152jpegjpg_szsqkufkivfilcm

Se você achava que Os reis do iê-iê-iê era o fundo do poço, nossos amigos lusitanos abriram os porões do poço: Os Quatro Cabeleiras do Após-Calypso. repetindo: Os Quatro Cabeleiras do Após-Calypso. a partir daqui, tudo é anticlímax

Meio português, meio inglês, sem azeitonas

Media_http1bpblogspotcoms84ivdzdwdsshogmw1owciaaaaaaaaabep0kz6o3crvis4001422bblowupjpg_fpsrjhxxhzgrknw

o nome do filme se refere a uma tecnica de revelação fotográfica, mas algum cabeçudo precisava socar um explicativo “depois daquele beijo”. que ao lado de Blow up, significa nada e confunde muito.

Media_httpkakaosfileswordpresscom200804myblueberrynights20062jpg_ihgcszhnaqvmzoo

Se você achava Um beijo roubado brasileiro ruim, que tal My blueberry nights – o sabor do amor?

Media_httpcarteiristanosapoptlost20in20translationjpg_npejsdhpbniinsw

sim, você já viu antes. sabe como se pede esse filme em Portugal? “você tem Lost in translation – O AMOR É UM LUGAR ESTRANHO? Com a Scarlett Johansson, Bill Murray?”

2 comentários

Filed under Uncategorized

Ecoando listas

Gostamos de listas porque não queremos morrer.

A frase acima é do genial Umberto Eco. ela foi retirada dessa interessante entrevista aqui:

(clique na imagem para ler a entrevista de Eco)

E aqui, uma lista de 5 passagens batutíssimas da entrevista:

“Gosto das listas pela mesma razão que outras pessoas gostam de futebol ou pedofilia. As pessoas têm suas preferências.”
“A lista é o marco de uma sociedade altamente avançada, desenvolvida, porque ela nos permite questionar as definições essenciais. A definição essencial é primitiva comparada à lista.”
“A propósito, se você muda constantemente de interesses, sua biblioteca constantemente dirá algo diferente sobre você.”
“Se você interage com as coisas em sua vida, tudo muda constantemente. E se nada muda, você é um idiota.”
“A lista é a origem da cultura. Ela faz parte da história da arte e da literatura.”

Umberto Eco

 

Eu, que sempre gostei de listas, andava com uma ideia na cabeça – na verdade, uma ideia antiga – que envolve justamente uma lista.

lembro que ao ler Alta fidelidade, de Nick Hornby, o que mais me impressionou foram duas coisas: as listas, pois já era uma mania minha que foi solidificada pela leitura; e a criação de uma fita coletânea pra alguém, porque era uma coisa que eu queria fazer e, novamente, o livro foi um chute na bunda da minha inércia.

Media_httpideiafortecombrblogmedia120090402iri5bobdylanjpg_kthjwfesvbggnzi

(imagem criado por iri5. veja as outras AQUI)

continuei lendo o Hormby, fazendo fitas e escrevendo listas. quem acompanhou meus blogues anteriores sabe do que eu falo.

um dia, um livro do Hornby sobre listas, o médio 31 Canções caiu na minha mão. tive uma ideia com ele, mas falarei disso outro dia.

retomando, sou um cara de listas:

– lista de livros pra ler

– lista de HQs a serem compradas

– lista de músicas a serem baixadas (já foi de CDs a comprar)

– lista de filmes

– lista de temas pro blog

daí li essa entrevista do Eco sobre listas e cultura e fiquei com vontade de voltar a uma postagem padrão de anos atrás: canções adequadas a um determinado momento. sei que não é exatamente uma lista, mas a ideia sempre foi que cada leitor pensasse sobre qual seria sua música praquele momento e pronto, já temos dois elementos e, por consequência, uma lista. veja aí:

Canções certas para momentos específicos:

Para se afogar em um mar azul cristalino, vendo a terra ao longe, e acabar não se importando muito com isso.
No Surprises – Radiohead

Para ver o fim do mundo de um terraço em Nova Iorque, sentado em uma cadeira de praia.
Ando Meio Desligado – Mutantes

essa postagem é de 2003, de um blog antigo abandonado.

que coisa vergonhosa, né?

Para passar vergonha pública em um blogue com coisas de muitos anos atrás:

Mongoloid – Devo

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Direito autoral

Descobri que estamos em uma época em que já existem filmes com direito autoral livre.

o que é uma descoberta bastante óbvia, na verdade.

não é óbvio, entretantto, o que se tem sido feito com esses filmes.

entre todas as coisas que não sei, tem uma que eu sei: foram parar no youtube!

entre as varias pérolas, uma animação do Superman, da década de 1940:

e a Noite dos Mortos-Vivos.

sim! ele mesmo! o clássico filme do Romero: inteirinho em 95 minutos de uma direção sensacional!

(clique no cartaz pra ver a obra no iultubi).

o filme é domínio publico por conta de uma antiga lei americana de direito autoral e de uma cabacisse: esqueceram de colocar um aviso de copyright em algum lugar e agora o filme é da geral!

veja os primeiros minutos do filme e mantenha sua cabeça no seguinte: um cara andando devagar ao longe quer dizer zumbi por causa desse filme. os enquadramentos inteligentes e o pouco sangue nos primeiros 15 minutos indicam que esse filme é um divisor de tumbas nos filmes de desmortos.

só posso recomendar enfaticamente.

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Sequer se quer…

Aposto que você passou por uma fase – normalmente, na infância – de querer várias coisas só pra si. se ainda não passou, fale com seu médico; eu falaria.

daí você aprende que não vai ter o seu tudo. nem o tudo dos outros. daí você aprende que não vai ter nenhum tudo. parabéns, essa é a maturidade: uma luta constante com o sentimento de incompletude e o anseio do pleno.

mas não é de lições de vida que tratamos neste espaço. aqui eu trato de ninharias, picuinhas e nã-ninhas outras.

por exemplo, de coisas de inveja.

queria ter tido a ideia pra escrever este livro:

 

Mas agora é tarde… queria também ter escrito “Um amor e uma 45”:

sempre é uma coisa meio tardia. não é aquilo que eu não conseguiria fazer, tipo o gol do Marcelinho.

 

é coisa de eu podi ter pensado nisso, eu podia ter feito isso. é bastante possível que esses dois tenham feito melhor do que eu faria. isso é ainda uma crença no tudo, uma fe infantil.

High and dry – Jamie Cullum

2 comentários

Filed under Uncategorized

Crônica de uma postagem anunciada

isso tem a ver com meu trabalho. e também tem a ver com esse texto do Ivan Lessa.

eu escrevo roteiros de videoaulas. e calhou que, nos últimos tempos, por benção do Criador e da tabela de prazos de entrega, voaram até minha mão materiais de linguística e leitura. e uma desses materiais é sobre gêneros textuais.

fiquei com isso na cabeça até a noite. me lavei e os gêneros foram ralo abaixo cercados de xampu.

daí no outro dia eu li a tal coluna do Lessa. invejado dele, pensei que queria escrever daquele jeito. e faísca!

o blog não é um diário virtual, informação que se repete mais que as descidas de Sísifo na imprensa especializada em informar os pais sobre o que seus filhos fazem tanto no computador.

e quando surge um novo meio de comunicação, os outros se reorganizam e descobrem novas utilidades.

exemplifico: depois que o Twitter entrou no lugar das postagens curtas e dicas de vídeo e música, os blogs servem mais como um relato elaborado, normalmente ligado ao cotidiano, com opiniões pessoais de seus autores fugindo pelo ladrão.

ou seja, o texto típico de um blog é a crônica.

o que não diz muito sobre mundo, pois é bastante óbvio. mas diz muito sobre as pretensões desse blogueiro.

PDA – Interpol

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

as glórias do Putardo Tarantino

Cães de Aluguel é o filme mais autoral; Pulp Fiction o melhor roteiro,; Um drink no inferno, o mais esquizofrênico; Jack Brown é o ponto baixo; Kill Bill 1, o mais divertido; Kill Bill 2, o mais bem dirigido; À prova de morte, a melhor trilha sonora. e o Bastardos inglórios o melhor resumo disso tudo. gRazie, Tarrantinou!

mas, não adianta, o filme que está ligado fudido à cultura pop é Pulp Fiction: camisetas, posteres e versões. abaixo, um tutorial de Google Wave e uma versão livre da violência explicíta:

bônus

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

sou a mosca a Zumbizar

Zumbi-controle-remoto

curto muito histórias trash e, sobretudo, de zumbis.

pago pau pro George Romero, me entusiasmo com a HQ Mortos-vivos, rio com Zumbis Marvel e sempre lembro que o vsionário Zack Snyder já fez seu melhor filme, o Madrugada dos Mortos.

meu primeiro roteiro de filme é de um filme trash. aliás, esse roteiro é um punhado de rabiscos em uma folha de caderno no ano 2000, meio que um argumento malfeito. nada que nos impedisse de contar a triste história da estudante universitária que matava pessoas pra vender seus órgãos para o mercado negro e pagar a faculdade. a pérola se chama O colecionador de órgãos (ou, em inglês, the invisible killer form the tomb).

a tristeza que perdemos a melhor piada do filme (essa do titulo – achou sem graça? é, magina o resto), porque esquecemos de por o título na hora da edição!

mas o que importa mesmo é o fabuloso trailler abaixo. mais que um trash é um terrir (terror + rir; sacou?)

ieba! vamo que vamo

2 comentários

Filed under Uncategorized